CPI da ALMS vai investigar desvio de R$ 700 milhões na Enersul

O deputado estadual Marquinhos Trad (PMDB) apresentou um requerimento solicitando a instituição de CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para apurar denúncias de desvio de recursos e suspeita de pagamentos de “mensalão” na antiga Enersul (Empresa Energética de Mato Grosso do Sul).

O parlamentar explicou que a necessidade de se constituir a CPI partiu da reunião que aconteceu ontem com a cúpula da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), em Brasília (DF). “Apresentei para eles documentos de uma auditoria realizada em 19 de agosto de 2013 e que apontou desvio de R$ 700 milhões na Enersul e a existência de uma espécie de ‘mensalão’ a 35 pessoas”.

Com a formação da Comissão Parlamentar de Inquérito, os deputados querem ter acesso a lista de nomes dos beneficiados com o suposto “mensalão” e ainda outros documentos. “A CPI tem poder de polícia sob pena de decretar prisão daqueles que negarem a entrega de documentos solicitados”, salientou Marquinhos.

A auditoria que apontou as irregularidades foi feita pela PWC (PrivewaterhouseCoopers), a pedido da Câmara de Valores Mobiliários, com base em ofício encaminhado por Marquinhos e o então deputado federal Fabio Trad. Até mesmo a empresa Energisa – que comprou a Enersul – poderá ser responsabilizada. “A partir do momento que ela adquiriu a Enersul, fica com o ativo e passivo, ou seja, o bônus e o ônus também”, explicou Marquinhos.

Assinaturas – No requerimento, solicitando a formação da CPI, constam as assinaturas dos deputados Cabo Almi (PT), Pedro Kemp (PT), João Grandão (PT), Amarildo Cruz (PT), Maurício Picarelli (PMDB), Zé Teixeira (DEM), Onevan de Matos (PSDB), Beto Pereira (PDT), Eduardo Rocha (PMDB), George Takimoto (PDT), Mara Caseiro (PTdoB), Antonieta Amorim (PMDB), Barbosinha (PSB), Professor Rinaldo (PSDB), Flávio Kayatt (PSDB), Renato Câmara (PMDB), Paulo Corrêa (PR), Angelo Guerreiro (PSDB) e Lidio Lopes (PEN).

Confira também

Deputados cobram redução do ICMS da gasolina

Em meio ao aumento de críticas quanto ao preço do combustível praticado em Mato Grosso …